sexta-feira, agosto 12, 2005

Mouse de bolinha - onde você vai parar?

*Ae, um texto mais relax...pra não ficar só na História.

Recentemente troquei meu mouse analógico por um óptico, sem alarde. Embora seja uma troca aparentemente desimportante, eu fico abismado com essa desimportância. O mouse foi o principal fator que tornou o computador acessível a leigos(tanto que existem pessoas que se orgulham de saber atalhos de teclado) e por anos esteve ao nosso lado, quieto e obediente.

A cada dia novas tecnolgias são lançadas e boa parte delas é altamente noticiada nos nossos ouvidos. Existem programas que acompanham a vida de bebês, por exemplo, passo a passo e por um bomm tempo. O mesmo acontece com certos robos projetados no Japão, que com o passar dos anos vão ficando cada vez mais inteligentes a adquirindo casa vez mais habilidades. Ambos evoluem. A única diferença é que a evolução robótica desperta muito mais interesse do que a vida de um bebê.

O mouse, propriamente, também evoluiu, mas o mouse de bolinha não. Ele foi abolido por esse dispositivo incrivelmente inssosso, aparentemente imcompreensível. Diferente da bolinha. Seu movimento fricciona os eixos e um pequeno sensor detecta os giros, reproduzindo o movimento. Você vê isso. Esse mecanismo é como nós, mecânico e visível. Até precisava de nossa ajuda para limpar a poeira acumulada em seus eixos. Pode-se alegar que isso é um trabalho extra que o mouse luminoso não tem; realmente é, mas é um trabalho prazeroso, onde você faz a manutenção do seu próprio mouse, tornando-o mais eficiente. Esse trabalho é infinitamente melhor do que ver seu mouse de luzinha não funcionar e você não poder fazer nada, a não ser levá-lo para o seu técnico, do qual você pouco simpatiza.

Enfim, encerra-se uma era em que muitas coisas não funcionavam, menos o mouse. Sempre presente e levando sucessivas pancadas, ele sempre prestou seu serviço. Hoje nossa raiva tem que se dirigir a outra coisa, pois o mouse óptico é delicado e não aceita carinho algum.

Talvez, no futuro, eu diga aos meus filhos que eles nunca usaram um mouse de bolinha. Talvez eles até perguntem o que seria um mouse, visto que, da maneira que tratamos as nossas relíquias, é possível que o mouse seja logo destituído de seu posto e seja realocado para a prateleira dos medalhões, só citado em crônicas saudosistas de tempos que na verdade ficam bons só para render um texto.

3 Comentários:

Anonymous Vitiaz Disse...

Puxa vida, gostei desse texto, é seu? Posso postar no meu blog, com a devida citação?

3:14 PM  
Anonymous Vitiaz Disse...

Obrigado!

5:33 AM  
Blogger Nery Disse...

Haha! Ótimo texto.

Também ganhará citação pela minha parte!
abrass

12:04 PM  

Postar um comentário

<< Home