domingo, setembro 25, 2005

Bons tempos de jovem

O hábito de criticar as novas gerações é algo muito comum. Isso é um assunto muito, mas muito antigo. Numa palestra de um histoiador inglês do qual não lembro o nome, iniciou dizendo algumas frases: "Os jovens de hoje não tem fibra para suportar os desafios que o futuro exige" e "A nova geração não se interessa por coisas importantes e é levada aos prazeres materiais sem se preocupar com as responsabilidades" e mais frases criticando cáusticamente os jovens e as futuras gerações. A platéia, formada por muitos pais e avós, concordou tácitamente.

Em seguida, o historiador falou dos autores delas: Platão, Horácio e uma outra havia sido encontrada num vaso babilônico. Ou seja, é uma tradição milenar as gerações mais antigas criticarem as novas, acusando-as de não ter os valores morais, éticos e responsáveis que as gerações antigas tinham. É o velho saudosismo do passado, os "bons tempos". Eu tenho 18 anos e olho para trás e vejo jovens(crianças!) de 10 anos jogando em Lan Houses e me vencendo em jogos de computador. A primeira reação que eu tenho é dizer "essa geração não tem futuro, com 10 anos jogando computador; eu com essa idade tava na praça jogando bola". Ao mesmo tempo meu pai me critica pois com 18 anos eu jogo em Lan Houses enquanto ele, com essa idade, jogava bola na praça. Ou seja, criticar as novas gerações é ser intolerante com as mudanças que ocorrem no mundo. É querer que as coisa sejam para os outros exatamente como era para você no passado. Isso se explica em parte porque temos um atração absurda pelos "bons tempos". Já vi o cumulo de dizerem "bons tempos de Sarney". Credo! Até eu, que não vivi na época, sei que ele foi um desastre. Bons tempos de ditadura, também, é frequente de se ouvir. Em outras situações, as pessoas dizem, "ah, mas naquele tempo não tinha essa robalheira e poca vergonha que existe hoje". Existia sim, só que os defeitos dessa épocas são apagados pelo passar dos anos, sobrando, somente, os "bons tempos".

2 Comentários:

Blogger davidammons47529938 Disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

7:51 AM  
Blogger João Carlos Disse...

Um psicólogo que analisou o generation gap (a senectude me impede de lebrar o nome dele - e o livro, já me roubaram faz tempo) diz que o principal problema de entendimento entre as gerações é que os jovens pensam que têm todo o tempo do mundo pela frente e os velhos sabem como o tempo é curto.
Veja eu, por exemplo Guilherme: tenho 3 vezes a sua idade. Meus dois filhos são mais velhos do que você. É claro que muita coisa que para você é novidade, para mim é deja vu.
Quando você nasceu, a Internet já engatinhava. Quando eu tinha a sua idade, ficava mais fácil (e muito mais barato) escrever do Rio de Janeiro para os pagos aí do Sul, do que telefonar (isso, para quem tinha telefone...)
Mas uma coisa é certa: quando um velho começa a falar dos "bons tempos da sua juventude" é porque a memória dele já está começando a ratear...
Envelhecer não doi, necessariamente. O que dá saudade é do vigor físico (e, é claro, isso nos dá uma certa inveja dos piás...)
Seja paciente com nós, "véios": com sorte, você chega lá também.

7:59 PM  

Postar um comentário

<< Home